sexta-feira, agosto 19, 2016

Em primeiro lugar gostaria de saudar o povo desempregado brasileiro. Em segundo lugar saúdo os senhores senadores e senhoras senadoras que me apoiam, são poucos mas moram no meu coração. E por último saúdo a mandioca indígena, o cachorro por trás da criança e a ideia maravilhosa de estocar vento que tive outro dia, que colocarei na pauta das minhas realizações.

Quero, por meio desta carta, contar umas coisas sobre mim e sobre minha vontade de voltar à presidência do Brasil. Eu tive essa ideia sozinha e não pedi para ninguém para escrever por mim. Nunca fui em uma ópera então não preciso do Gasparzinho.

Reafirmo que sou inocenta. Apesar de comandar o país lá da minha sala no planalto, nunca tive contato com essa gentalha desqualificada que se aproveitou e escreveu aquelas medidas para causar as pedaladas. As pedaladas eu dou sozinha, acompanhada de meus seguranças, todos os dias, entre 7 e 8 da manhã, de segunda a sábado. Não preciso de ninguém pedalando por mim.

O Brasil tem um grande problema, que é aquele problema que não conseguimos resolver e colocamos a culpa em alguém inocenta. O que quero dizer é que não cometi crime nenhum, se eu tivesse cometido eu seria detenta e não presidenta.

Conto com a compreensão de todos e de todas, mas não quero com essas palavras causar um mal estar de gênero. Vamos todos dar as mãos ao redor do Senado Federal e rezar pela minha volta.

Obrigada.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics