quinta-feira, julho 10, 2014

Apesar de não ser um torcedor na definição da palavra, acompanho Copa do Mundo desde 1970, quando vi a seleção ser tri-campeã. Torci em outras copas. Fiquei puto com a desclassificação para a Itália em 1982. Vi a mão de Deus roubar o título da Alemanha em 1986. O fiasco de 1990 parece ter sido apagado da memória coletiva. Enfim, o Tetracampeonato e, duas copas depois, o Penta. Tirando a equipe de 1990, em todas as Copas tivemos times que jogavam para o coletivo e não para um único jogador. E vamos combinar que assistindo essa copa vemos que o futebol no mundo todo evoluiu, menos o do Brasil. Mas não é essa a razão desse post.

Meu sonho era assistir uma Copa do Mundo ao vivo. Mas depois que percebi a putaria generalizada que rola nos bastidores da FIFA, me desiludi. A roubalheira, os esquemas, a inversão do sentido de negócio entre as partes, as quebras de contrato, tudo isso tira todo o brilho do espetáculo e não posso concordar em participar dessa sacanagem da grossa.

Só uma situação já deveria ser objeto de processo penal: Um país tem que praticamente se colocar de quatro para receber uma Copa do Mundo, em troca de intangíveis benefícios, candidatura essa que apresenta termos de conformidade que são absolutamente ignorados entre as partes depois que o contrato é assinado, é muito muito suspeito.

Só espero que uma Olimpíada seja mais séria.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics