terça-feira, julho 30, 2013

Não sou católico. Mas não posso deixar de reconhecer que o Papa Francisco tem um estilo bem diferente dos seus antecessores. Talvez por ser o primeiro jesuíta a alcançar o posto, o que já é um grande rompimento com a tradição.

Obviamente a Igreja Católica não irá mudar seus dogmas. Mas no momento que ele não se esconde de temas polêmicos, demonstra pelo menos boa vontade. Alguns pontos que considero relevantes:

- O Banco do Vaticano foi criado para ser um banco de fomento. Como o nosso BNDES teve seu fim desvirtuado e, em escala menor, foi sangrado por dirigentes ávidos.

- Não vai varrer para baixo do tapete os desvios e delitos. vai sentar a bota. Muito bem.

- É preciso entender o que o Papa Francisco quer dizer com integração dos homossexuais. Continuar tratando opção sexual como doença será um grande tiro no pé. Mas amparar espiritualmente aqueles que acreditam em Jesus Cristo, sem olhar para quem, é um grande gesto.

- Pela primeira vez vejo um Papa admitir que moscaram na relação com os fiéis e com isso perderam espaço. Assumir que estava errado quanto aos movimentos carismáticos é intrigante.

- Sua simplicidade deveria servir de exemplo aos nababos produzidos no Brasil.

- Bolivarianos gostam de Copacabana. Tudo a ver Evil Imorales e inferninhos do Lido.

- "O Papa sobreviveu", manchete de um jornal europeu.

Vamos ver até onde iremos. Alea Jacta Est et Ora Pro Nobis.



Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics