sexta-feira, dezembro 27, 2013

Há quase 29 anos, em janeiro de 1985, fiz uma viagem para o sul da Bahia com dois amigos. Era época do rock in rio, o primeiro. E era época das chuvas na região sudeste. E o Espírito Santo (amém) estava alagado, como está hoje. Só passamos na BR 101, no norte do estado, porque a defesa civil havia criado barreiras de sacos de areia em ambos os lados da rodovia para ter um mínimo de trafegabilidade.

E hoje, espantam-se. E se tomam medidas enérgicas (leia-se eleitoreiras) para combater a incompetência dos governos. Um pós-doutor que ouvi na rádio que toca notícias concluiu o mesmo que eu, um pobre mortal, concluí: Desburocratizar na marra é abrir caminho, em ano eleitoral, para desvios.

E viva o Brasil da copa!!!

quarta-feira, novembro 13, 2013

Não vou entrar no mérito se o rei do camarote trolou ou não a Veja. Isso é um problema deles.

O que me causou estranheza foi o levante de vozes, indignadas, condenando o sujeito por gastar R$ 50 mil em uma noitada. Em primeiro e último lugar o dinheiro, supostamente, é dele e ele poderia até limpar o rabo com ele. Preferiu comprar amigos e mulheres, menos mal.

Mas se o motivo da indignação está certo, isto é, a ostentação sem sentido, então temos um erro crasso de conceito, e inveja desmedida.

Por exemplo, os preços praticados no Brasil para qualquer coisa, de produtos a serviços, deveriam nos colocar como a maior renda per capita do mundo. Mas sabemos que isso é mentira. Como justificar um almoço fora de casa para 3 pessoas por mais de R$ 150,00, por exemplo? Vejo carros de luxo aos montes, muito caros por sinal, circulando e fico tentando imaginar como é que o sujeito deve pagar a gasolina e o IPVA. Ontem mesmo vi uma notícia de um condomínio na Barra da Tijuca, sob a tutela da rede Grand Hyatt Residences, cuja cobertura custa a bagatela de 61 MILHÕES de reais.

Não conheço pessoas abonadas. A maioria esmagadora, como eu, são pobre mortais que lutam para ter um mínimo de conforto. Não é possível que o resto do país ganhe tão bem assim. Ou então haja carnê.

Por que então essas aberrações não são alvo de manifestações indignadas?

quarta-feira, outubro 30, 2013

Eu fico imaginando que nunca disseram para o apedeuta que beber e se medicar, simultaneamente e concomitantemente, pode ter efeitos nefastos.

Somente isso explica a avalanche de baboseiras que ele proferiu ontem por ocasião da "comemoração" dos 25 anos da constituinte (ou constituição, o que veio primeiro).

Começando por elogiar $arney. Sim, dizer que $arney foi importante para a constituição só se foi para ajudar a criar um documento tão cheio de buracos que os protegeriam da justissia brasileña, como se essa instituição falida e venal já não protegesse o bastante. Outra pérola foi acusar a mídia golpista de incapaz. Incapaz de reconhecer que nem todos os políticos são venais, ladrões, mentirosos e omissos. Citou "só quem nunca leu a biografia de Getúlio Vargas e a de JK pode dizer que não existem políticos do bem" (algo assim). É estranho ele citar um ex-presidente, que comandou uma das piores ditaduras do país, como referência a político do bem.

A cereja do bolo ficou por conta do congre$$o, essa pocilga, que homenageou os ex-presidentes com medalhas comemorativas. Não compareceram FHC, adoentado, e Collor.

Mas por que razão se homenagearia um sujeito que foi chutado da cadeira presidencial por maracutaias?

Mistérios.

quarta-feira, outubro 23, 2013

Uma palavrinha sobre o P$4.


No Brasil é senso comum que a carga tributária é a vilã de tudo. Os altos preços cobrados no Brasil, por qualquer coisa de classe mundial, me faz pensar que nossa renda per capita é a maior do mundo. E sabemos que não é.

Mas sem preâmbulos. O cara da $ony, frustrado, declarou que perde dinheiro com o valor de R$ 4 mil cobrado pelo console. Apresentou valores que, de forma geral, dividem o preço em 3 partes: na primeira, de R$ 858,00, estão os royalties; na segunda, de R$ 2.524,00, estão os impostos, tributos e outras sacanagens engendradas pelo governo; na última, de R$ 875,00, estão as margens dos distribuidores.

Deixo a cargo de tributaristas e da Receita Federal a análise dos valores e percentis dos impostos.

Nos USA o console custa US$ 400,00. Neste preço estão incluídos os custos de produção e distribuição, a margem das revendas, os impostos e o lucro. 400 dólares ou, mais ou menos, R$ 876,00.

Ninguém explicou porque no Brasil o preço de largada é o mesmo preço final dos USA.

Nem vão explicar.


terça-feira, outubro 15, 2013

"Não tenho prova objetiva de que há uma bolha aqui, mas existe indicação de que algo acontece. De fato, não sei se há bolha no Brasil, mas suspeito que sim", essa é a declaração de um economista americano que se tornou um prêmio Nobel. Não sei quanto a teoria do achismo, conjunto de chutes hipotéticos sobre qualquer assunto, científico ou não, sem consistência nem provas, pesa na vida das pessoas, mas valer um prêmio Nobel, é demais. 

No Brasil, esse país superlativo, tudo é estranho. Pagamos preços absurdos de caro por produtos que lá fora custam nada. E apartamentos violam a regra do bom senso. E tudo é normal.

Uma pesquisa do sindicato das construtoras aqui da região constatou, óbvio, que os clientes procuram por apartamentos pequenos com infraestrutura de lazer. Muito bem, chamam salão de festas de espaço gourmet, um balde de piscina e o parquinho (com um escorrega e um balanço) de área de lazer infantil. E o cliente idiota engole sem cuspir essa barbaridade.

Vejo apartamentos com espaços ridículos sendo vendidos a preços extorsivos. Mas aqui é o Brasil e o governo abre as comportas de crédito ao infinito e além. 

Isso sim é bolha. E não preciso ser um prêmio Nobel para dizer isso.

terça-feira, setembro 03, 2013

Eu quero que um míssil, portando armas químicas, se desvie do seu alvo, na Síria, e acerte bem em cima do congre$$o nacional.

Me intriga, entre tantos quereres que vejo por aí, que tenha gente querendo a volta dos militares ao poder. Primeiro que os próprios militares não tem o menor interesse de pegar essa bucha. Segundo que o "timing" de golpes militares, na América Latrina, já passou há muito. Mas o ponto que me chama a atenção é o esquecimento.

Esquecem-se, aqueles que acreditam nos militares, que seus governos eram íntegros ou éticos ou o caralho do bem que fosse. Uma miríade de escândalos ocorreram naquela época. O milagre brasileiro encheu as burras de alguns políticos civis que estão até hoje assombrando o país. A crise que veio com o segundo choque do petróleo também, se fuçarem a maxi de 1983 vão entender o que digo.

Em resumo, o que temos no país é uma casta política avacalhada, debochada e venal. Nada que saia de qualquer poder presta. Leiam as entrelinhas antes de saírem defendendo um ou outro lado. Direita e esquerda, burguesia e proletariado, são termos tão cretinos que chegam a ser risíveis.

Acreditem, eles só tem um e não é o nosso.

sábado, agosto 31, 2013

Estamos sendo literalmente sacaneados. O povo vai para a rua e depois de 15 dias esquecem tudo. E todos do governo, legislativo e judiciário contavam com isso.

O legislativo conseguiu a façanha ímpar de manter um apenado na condição de parlamentar. Manobra essa engendrada pelos mensaleiros visando a mesma coisa.

O judiciário patina no julgamento do mensalão, sendo que um dos supremos juízes tem uma dívida (?) de R$ 1,4 milhões em um banco do qual é contumaz relator. Não explica de onde vem a grana que paga a parcela (se é que paga mesmo, o que duvido). E não se enganem, se o Joaquim Barbosa fosse fodão mesmo já tinha dado uma surra no toffolli.

O executivo, bom, o executivo finge que trabalha. Anuncia um PAC para cidades históricas pela 4ª vez, não faz o dever de casa e comemora um PIB que não irá se manter, um ministro envolvido em uma licitação milionária (aqui), outra não consegue explicar porque um pedófilo era seu aspone, encarceram um senador boliviano perseguido por ser oposição ao Evil Imorales e ficam indignados quando um samaritano resolve a situação do sujeito, temos mais um apagão causado por uma queimada estúpida no interior do Piauí (caraleos, o que é que tem pra queimar no interior do Piauí??) e a lista caminha a passos largos.

Sem contar o caso surreal dos médicos cubanos. Que precisamos de médicos é uma realidade. Mas vamos combinar, financiar descaradamente o Fidel, alegando o investimento feito na formação dos caras, é sacanagem. Dizer que a medicina cubana é uma das melhores do mundo é bizarro. Melhor em que planeta? A exatamente que tecnologias eles tem acesso para serem considerados de ponta? A medicina chinesa das baratas? Ou a que trata os russos? Ah, não é isso, eles são bons em prevenção. Bom, prevenção é ter saneamento básico de qualidade, água tratada na torneira e uma educação primorosa. Coisa que NÃO EXISTE no Brasil! Ou os médicos cubanos são mágicos ou perdi alguma coisa. Enquanto isso a elite política continuará a se tratar no Sírio-Libanês, local em que os filhinhos de papai que puderam investir um monte de dinheiro em sua formação trabalham.

Vivemos o fundo do poço do deboche sócio-político do governo de esquerda brasileiro. Do ponto de vista deles é o ápice. E sim, foi só pelos 20 centavos.

domingo, agosto 11, 2013

Com o festival de merda atirada em ventiladores que assola esse país, se confirma algo que é sabido há séculos: Todos os políticos são venais, não importa que linha ideológica sigam. As três principais forças partidárias estão atoladas no lodaçal. E não esqueçam que os partidos de menor expressão não podem produzir nada que preste, existem apenas para segmentar (ou especializar) a roubalheira.

A sucessão de escândalos demonstra também outro fato notório, a diferença abissal entre políticos com estirpe e os neófitos. Sabemos quem são o quê. O amadorismo se contrasta com o profissionalismo, mas todos resultam na mesma sacanagem, amparados por uma mídia completamente vendida. Dou risada quando leio "O povo não é bobo, abaixo a rede Globo". Se até a mídia ninja se locupleta nas tetas do governo, que isenção vocês querem, pelo amor de Deus?

E as passeatas não voltaram, ainda. Mas está na hora.

#Vamosprarua?

O raciocínio vale para políticos, tanto vivos como mortos.

terça-feira, julho 30, 2013

Não sou católico. Mas não posso deixar de reconhecer que o Papa Francisco tem um estilo bem diferente dos seus antecessores. Talvez por ser o primeiro jesuíta a alcançar o posto, o que já é um grande rompimento com a tradição.

Obviamente a Igreja Católica não irá mudar seus dogmas. Mas no momento que ele não se esconde de temas polêmicos, demonstra pelo menos boa vontade. Alguns pontos que considero relevantes:

- O Banco do Vaticano foi criado para ser um banco de fomento. Como o nosso BNDES teve seu fim desvirtuado e, em escala menor, foi sangrado por dirigentes ávidos.

- Não vai varrer para baixo do tapete os desvios e delitos. vai sentar a bota. Muito bem.

- É preciso entender o que o Papa Francisco quer dizer com integração dos homossexuais. Continuar tratando opção sexual como doença será um grande tiro no pé. Mas amparar espiritualmente aqueles que acreditam em Jesus Cristo, sem olhar para quem, é um grande gesto.

- Pela primeira vez vejo um Papa admitir que moscaram na relação com os fiéis e com isso perderam espaço. Assumir que estava errado quanto aos movimentos carismáticos é intrigante.

- Sua simplicidade deveria servir de exemplo aos nababos produzidos no Brasil.

- Bolivarianos gostam de Copacabana. Tudo a ver Evil Imorales e inferninhos do Lido.

- "O Papa sobreviveu", manchete de um jornal europeu.

Vamos ver até onde iremos. Alea Jacta Est et Ora Pro Nobis.



quarta-feira, junho 19, 2013

A classe política está tonta. Como não há lideranças não tem ninguém que não possam comprar ou arregar em algum cargo comissionado. Diulma faz de conta que não é com ela. "Se colou com o Lula na época do mensalão, por que não colaria com ela se fazer de desentendida?", comentou em off um aspone palaciano.

Em 8 anos de indignação explícita é prazeroso acompanhar uma movimentação desta envergadura. Aprendi que a conta não deve ser colocada na mesa do PT, somente. Todos os políticos brasileiros são uns filhos da puta. Porém, temos que fazer justissia: O Lula conseguiu levar ao limite o adágio "venha a nós e ao vosso reino nada". Os arranjos que permitiram uma tal de governabilidade (nunca antes vista nesse país) trouxeram o lulo-petismo para o mesmo nível das outras correntes políticas, isto é, abaixo da fossa sanitária. O mensalão, que existiu, evidenciou esse desvio e as tentativas de agradar a todos só conseguiram colocar o governo como refém de um bando de sanguessugas. E abriram brechas para que ineptos tomassem conta de cadeiras fundamentais para o desenvolvimento do Brasil.

Cabe agora ao movimento mudar as coisas, mas sem lideranças será difícil uma articulação nacional permanente. Não há porque exigir o impeachment da diulma, mesmo que ela, ao invés de se reunir com as autoridades municipais e estaduais e não com o lula e um marqueteiro, tenha contribuído para os desvios de ação na condução do governo. Seria melhor mesmo humilhar a todos os políticos.

Não se trata mais de 20 cents. Mas também não vi ninguém pedindo cadeia para os mensaleiros julgados e condenados. O que é uma pena.

terça-feira, junho 18, 2013


Não poderia deixar de me manifestar a respeito do movimento apolítico, apartidário e acéfalo que assola o Brasil, menos Floripa.

Há 8 anos eu e muitos outros blogueiros vimos apontando os desmandos e descasos do governo. De qualquer um diga-se de passagem. Então vamos lá.

Muito estranho. O governador do DF, que é do PT, acusou, até o momento sem provas, que alguém "pagaram não sei quem fui" para rolar a manifestação. Curiosamente os aspones acusados de serem os líderes do movimento em Brasília são aspones palacianos, no mínimo indicados por aliados do PT ou do próprio.

Não se tratam de R$ 0,20.

Muito curioso. Tentaram invadir o congre$o nacional numa segunda-feira. E a PM deu o arrego para os manifestantes se empoleirarem no teto da pocilga. Seria a mesma coisa se fosse numa quarta-feira em dia de votação do aumento dos próprios salários?

Não se trata de corrupção.

Muito oportuno. Valendo um amendoim roído como os baderneiros e vândalos tem nome e sobrenome. A qual partido interessaria fazer uma arruaça para desmoralizar o movimento?

Não se trata de estádios de futebol nababescos sem as devidas contrapartidas em mobilidade urbana.
Não se trata de corrupção.

Muito oportuno. Valendo um amendoim roído como os baderneiros e vândalos tem nome e sobrenome. A qual partido interessaria fazer uma arruaça para desmoralizar o movimento?

Não se trata de estádios de futebol nababescos sem as devidas contrapartidas em mobilidade urbana.
Não se trata de corrupção.

Por favor. Não vamos agora, em um óbvio ufanismo medieval, gritar aos quatro ventos que o gigante acordou. Está longe disso. Ainda.

sexta-feira, junho 07, 2013

A taça. Como todo bom cidadão que se preze, tenho acompanhado ao largo as maracutaias que envolvem a realização do mundial de futebol. E como todo cidadão sei que o que há de picaretagem não é mole. Recorde absoluto de falta de planejamento.

O vinho. Ou vinagre, 22º lugar no ranking da FIFA, apesar que isso não representa bosta nenhuma. Pelo menos para eu ou para mim, depende do referencial. E o Neymar vai para a Espanha, que mesmo na merda conseguiu levantar centos milhões de euros para a compra nababesca do pipoqueiro. Será a pipoca mais cara dom planeta?

A Copa. A massa ignara se ilude com benfeitorias pífias que não se concretizam. Os esquerdopatas idiotas alardeiam que o Brasil sabe organizar as coisas. Mas o que se vê é bem triste, para não dizer sério. Como é que se inauguram estádios (que por palhaçada chamam de arenas) sem o mínimo de estrutura? Como é que se inaugura um estádio cuja cobertura cai com o primeiro temporal? Como é que um jogo é suspenso pela justissia brasileña para logo em seguida ser autorizado? Viva a esbórnia

O Bolo. O que dizer... completamos 8 anos de atividades. São centenas de indignações, tantas que perdi a conta. Evoé, Baco!!

sexta-feira, abril 19, 2013

"A mobilidade urbana como fator desagregador social e familiar", do MsC, MD, PG/FU Sir Ernest Shackleton. (Unknown Editors, 345 páginas)

Após 35 anos de pesquisas, o grande cientista e explorador Sir Ernest Shackleton publica seu mais novo livro. Após intensa pesquisa, com mais de 13.456 entrevistados em 35 países, ele revela fatores pertubadores relacionados com o caos na mobilidade urbana. Três ou quatro horas diárias literalmente travado no trânsito são retirados, diariamente, de pais e mães de família que assim não conseguem dar a necessária atenção aos filhos, esposas e maridos, fragilizando os elos e afetando o futuro de milhões de pessoas. Por outro lado, fortes relações de amizade, consolidadas ao longo de décadas são eprdidas por absoluta falta de tempo. "A mobilidade urbana afeta diretamente o grupo social, restringindo o relacionamento a grupos do trabalho e/ou academia. Além disso, utiliza-se mais e mais o 'happy hour' como pausa no caminho transformando pessoas afáveis em alcoólicos inveterados. Relato, em meu livro, casos impressionantes", declarou.

Imperdível.




quinta-feira, março 28, 2013

Longe de mim criticar a inclusão de tantos trabalhadores tratados como “yes, buana”. Mas não posso deixar de tecer certas considerações a respeito. Depois de aprovarem a tal PEC das empregadas os nossos (infelizmente tenho que incluir nessa) repre$entante$ ficaram preocupados. Afinal, para cada uma das trabalhadoras domésticas existem 2 ou mais eleitores pagantes. Se tocaram que nem todos os patrões são abonados (tem domésticas por necessidade) e nem todos são senhores de engenho. E aí começam a querer montar “puxadinhos” na tal lei. Por exemplo, o Sindicato das Domésticas (ou algo assim) quer que a União arque com o custo das creches, que está na tal lei aprovada. Porra, não tenho dinheiro para ter empregada fixa (mal consigo pagar uma faxineira quinzenal) e tenho que arcar, com o dinheiro do meu imposto, isso por quê? Outra, quem vai fiscalizar essa naba? Não se preocuparam com a fiscalização da jornada. Coisa bem difícil por sinal. Se entubaram os patrões então que assumam as consequências políticas.


Em tempo: A cereja do bolo foi a declaração da líder sindical esbravejando que agora havia sido feita a justiça, agora os patrões que “trocam de carro importado todo ano e viajam para a Europa vão ter que nos engolir” (mais ou menos isso). Uma lei que nasce da inveja ou revanchismo está fadada ao fracasso. 

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics