quinta-feira, maio 03, 2012

Estava relutando em escrever sobre mais uma CPIzza. Mas vamos lá.

Era uma vez um Brasil cheio de políticos. Corruptos, imorais, parvos, uns picaretas em resumo. Surgiu então, lá no fim do cano de esgoto, uma luz, e essa luz se chamava Demóstenes. Socialites ensandecidas e molhadinhas levantaram, em punho, o mastro rígido do pavilhão desse, considerado então, paladino da moral e dos bons costumes.

Ledo engano. Não se sabe a mando de quem, porquê ou de que maneira, e saibam, meu caro leitor, minha ávida leitora, que nada no Brasil político é por acaso, destamparam a panela e entornaram o caldo de um dos maiores esquemas de corrupção desde os tempos do mensalão. E bem no meio deste baita esquemão está, supostamente, por suposto, o tal paladino da justissia.

Na esteira das denúncias, empreiteiros, governadores, aspones, dePUTadOS, $enadore$, a corja toda. E daí vem a tal CPI. Na rádio que toca notícia ouvi uma entrevista do Miro Teixeira, indigando, dizendo que agora seria diferente, não ficaria pedra sobre pedra, e que inclusive a CPI estava começando no sentido contrário do que normalmente acontecem.

Ouvindo as notícias de hoje, que governadores flagrados em escutas e o próprio Demóstenes não serão chamados a depor, realmente Miro tinha razão, a CPI começou pela pizza.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics