segunda-feira, junho 18, 2012

A capacidade do ser humano em produzir bobagens beira a histeria coletiva. Centenas de pessoas marcharam em São Paulo pelo direito, entre outras coisas, de se parir em casa.

Por mim podem parir onde quiserem. Mas, e é um grande mas, não se pensa na razão de levar a gestante a parir em um hospital. O que é mais simples, juntando todas as parturientes num único e agradável ambiente de saúde pública ou privada. "Ah, mas lá não posso parir meu filho em uma banheira", exclamaria indignada uma adepta do parto na água. "Tá, e daí?" responderia eu com meus botões. Não conheço ninguém que tenha sido parido por meios "naturebas" mas tenho certeza que isso não fez a menor diferença.

O que essas manifestantes engajadas esquecem que filho tem que ser criado com amor e dedicação, se foi parido em pé, deitado ou de cabeça para baixo que se dane. Depois não adianta espernear porque uma picareta xamânica fez uma bela cagada e seu rebento morreu em casa. Ou que tiveram que correr para o hospital.
 
Em tempo: Acho que cesárea é usada indiscriminadamente. Não por ser mais fácil como citam alguns, mas por ser mais lucrativo.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics