segunda-feira, maio 02, 2011

Tenho que reconhecer que tenho uma certa aversão a especialistas. Tive o desprazer de ler uma matéria no Terra onde um deles, Daniel Chaves, pesquisador do laboratório de estudos do tempo presente da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tece alguns comentários esquisitos sobre a ação que culminou na eliminação de Osama Bin Laden.


O que o Paquistão menos quer nessa hora é ter qualquer relação com o ataque. Isso porque lá moram uma porrada de terroristas.


Jogar o corpo no mar, seja lá que ritual islâmico foi seguido (e pelo jeito não tem nenhum), impede que seja feita alguma tentativa de resgate do corpo. Ou então que a divulgação das imagens do "de cujos" saia como um tiro no pé dos EUA.


Jogar o corpo no mar também impede que seja criado um mausoléu de peregrinação, qualquer que seja o desvio mental que leve alguém a peregrinar na cova de um covarde filho da puta. Mas nesse ponto discordo. Acho que deveriam sim enterrá-lo, no deserto, longe das cidades. Quando junta-se um bando de "peregrinos" um míssil Tomahawk seria disparado explodindo a porra toda. Daí, um empreiteiro super-faturado re-construiria o local, aguardando por uma nova leva de simpatizantes retardados.


O especialista criticou a ação no que chamou de "falta de transparência do governo americano". "Ninguém sabia que aquilo estava sendo planejado", disse. Se entendi bem, quem deveria saber, sabia. Ou ele queria que o governo americano divulgasse que sabia onde estava o terrorista e que estava enviando uma força de ataque? Outro comentário deste exímio especialista "foi uma catástrofe de extrema insensibilidade". Se matar um perigoso terrorista, procurado por 10 anos, é considerado uma catástrofe, o atentado de 11 de setembro é o quê?


Não vou me alongar. Vou deixar o benefício da dúvida que o que o douto especialista disse foi, de sacanagem, colocado fora do contexto, prática comum na mídia mentecapta ávida por sensacionalismo. Mas na minha humilde e desqualificada opinião ele, como analista de política externa e terrorismo, é um ótimo comentarista de casamentos reais.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics