segunda-feira, setembro 20, 2010

A sucessão de trapalhadas e escândalos é realmente bizarra. Só fico puteado que tudo isso só tenha surgido agora, o timing é fora da casinha, pois é sabido que o governo, qualquer um, é um balcão de negócios escusos e mal-explicados. Mas o que este governo fez é de se rir para não chorar. São os trapalhões do mal.

Volto a frisar, o fato de alguém ser bandido não o impede de apontar outros. Ainda mais com a enxurrada de provas. Ouvi ontem que se o cara falsificou dinheiro (e nem sei se isso é realmente verdade) falsificar documentos é fácil. Foi o argumento mais idiota que ouvi em séculos.

Outra, o diretor de operações excusas dos correios vai se demitir, alegando perseguição. "Minha família está destroçada", bradou. Destroçada por descobrir que o pai/marido é, supostamente, um pilantra? Se a tal empresa aérea, considerada para apoiar os correios, é tão idônea, por que testas-de-ferro? Por que endereços falsos? Só me faltam dizer que ele está sendo injustiçado. O que falta no Brasil são justiceiros.

Mais uma, o governador do Amapá, deixou a prisão e, pasmém, vai reassumir o governo. Isso depois de toneladas de provas contra ele. Não é maneiro?

A casa civil da mãe joana deve ser realmente um belo butim, para que tantos repre$entante$ do povo estejam de olho.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics