quarta-feira, agosto 12, 2009

Reproduzo aqui um email, atualizado, que vem sendo replicado na internet. Trata-se de considerações pessoais da Dra Káthia Ribas, pediatra e auditora na área de saúde, após interações com autoridades e especialistas no assunto.

Agradeço a atenção dispensada por ela na confirmação das informações e na atualização das mesmas.

Segue o email:

"Sou médica pediatra e auditora. Tomei a iniciativa de escrever uma mensagem que pudesse diminuir o pânico, sem descuidar do estado de permanente ALERTA.

Ressalto que falo em meu nome, e não da Secretaria Municipal ou Estadual do Paraná, as quais tem setores competentes para repassarem os boletins atualizados diariamente.

Tenho entrado em contato diariamente com as autoridades municipais e estaduais (SMS e SESA) além de acompanhar os protocolos do Ministério da Saúde.

Para os esclarecimentos oficiais, os Secretários de Saúde Municipais e Estaduais são os responsáveis.

Me senti na obrigação de colocar alguns esclarecimentos menos alarmantes, para evitar o pânico, que em nada nos ajuda.

Tomei esta iniciativa somente no intuito de tranquilizar meus amigos e pacientes, não esperava realmente esta repercussão.

A situação está em plena evolução, o Paraná atualmente está no "olho do furacão, " e esta é a evolução prevista. Devemos ter mais 2 ou 3 semanas críticas. O mês de agosto deverá ser de alerta, cuidado, reforço nas orientações gerais.

ESCLARECIMENTOS IMPORTANTES:

1- A disseminação do virus é real, ele já ultrapassou a "barreira " inicial de contaminação dos casos iniciais (vindos de paises com casos comprovados) e já circula livremente entre nós, ajudado pela condições climáticas de inverno. Grande parte dos quadros gripais leves e moderados já são do novo virus (H1N1). Como há um grande número, os exames só serão feitos nos casos graves e/ou internados, mas já há grande circulação de virus em forma branda, com sintomas da gripe comum. Não há motivo para pânico (e sim para CUIDADOS) porque em 99% dos casos a evolução será absolutamente benigna após alguns dias.

2-Cuidados preventivos (boa alimentação com ênfase em sucos, frutas e verduras, ambientes arejados, higiene redobrada de mãos e secreções oro-nasais). Em vigência do quadro gripal, como os sintomas iniciais são exatamente iguais aos da gripe sazonal, entrar em contato com seu médico ou posto de saúde: após a avaliação inicial, a maioria dos casos será manejada com repouso em domicílio, e medicação sintomática, com acompanhamento periódico- Em Curitiba temos Call center 24 hs para acompanhamento dos casos.

Caso haja piora, ou o quadro inicial seja grave , ou em pacientes de risco (gestantes, idosos, menores de 2 anos, diabéticos, renais crônicos, imunodeprimidos), após avaliação médica pode ser necesário uso imediato do antiviral. Ressalto que há anti viral em quantidade suficiente, além de matéria prima disponível para preparo de doses adicionais.

3-Os cuidados básicos de alimentação, higiene, repouso adequado e ventilação de ambientes , devem ser seguidos sempre. Alguns cuidados específicos estão sendo readapatados de acordo com a evolução da curva epidemiológica: é uma nova patologia, e os protocolos vão sendo adaptados de acordo com as novas necessidades; PORÉM, COMO É UM VIRUS NOVO , DE COMPORTAMENTO AINDA INCERTO, NADA IMPEDE QUE EM POUCOS DIAS AS CONDUTAS E ORIENTAÇÕES SEJAM MUDADAS E RE ADAPTADAS. AS AUTORIDADES ESTÃO SE MODIFICANDO DE FORMA ÁGIL E RESPONSÁVEL, DE ACORDO COM O COMPORTAMENTO DO VIRUS.

4-Não foram tantas mortes comparados com o percentual total de contaminados. No Paraná até hoje tivemos 43 óbitos pelo H1N1, para um número muito maior de infectados com evolução benigna...Muitas outras mortes, são pelo virus da gripe comum, outras tantas por bactérias causadoras de pneumonias típicas do inverno. Alguns óbitos por doença respiratória aguda aguardam confirmação de exames laboratoriais. Com a disponibilização ágil do Tamiflu (antiviral) nas promeiras 48 hs, o nº de óbitos deve ser reduzido significativamente.

5-A auto medicação é prejudicial, pois pode mascarar um quadro inicial e postergar o início de tratamento efetivo. Por outro lado, o uso indiscriminado do antiviral sem a prescrição médica, também pode ser prejudicial, aumentando a patogenicidade do vírus (ele se torna resistente). O conselho é: em casos de fabre igual ou maior que 38 º C acompanhados de sintomas respiratórios, o paciente procure avaliação médica.

Quadros sem febre ou com febre abaixo de 38, podem ser manejados com antitérmico e medicação sintomática em domicílio, e observação frequente para detectar qualquer piora dos sintomas.

6- Calcula-se que esta primeira "onda " no Brasil, deva ser crítica no mês de agosto, entrará em estabilização e começará a regredir nos próximos 2 meses. Isto é somente uma projeção, há que se acompanhar diariamente a curva epidemiológica e os protocolos poderão ser adaptados ou modificados a qualquer momento.

7- A máscara só é recomendada para pessoas que apresentam sintomas respiratórios e para a equipe de saúde que atende pacientes com sintomas respiratórios. Ela é descartável e deve ser trocada de 3 em 3 horas.

8- O afastamento das aulas nestas semanas de pico, ajuda na diminuição da transmissibilidade, pois as crianças e adolescentes são potenciais transmissores e nem sempre tem hábitos adequados de higiene de mãos e vias respiratórias. As autoridades competentes vão definir a data do reinício das aulas (PR), possivelmente o próximo dia 17/08/09. Como a transmissão da gripe A é através de contato direto (gotículas expelidas através de tosse ou espirros) e por contato das mãos com superfícies contaminadas, recomenda-se sim, que se evitem locais abafados e super lotados: baladas, bares fechados, shows, cinemas.

Nos locais mais arejados: clubes, parques, ciclovias, quadras abertas, o risco é mínimo.

9- Conforme os dados do Ministério, não há indicío por ora de que o vírus se torne mais agressivo. A dispensação de medicamento para os raros casos mais graves, já está agilizada. A vacina já está em desenvolvimento, o que deverá minorar os casos nos próximos surtos.

A vacina estará disponível inicialmente para paises do Hemisfério Norte (que entram no inverno no final do ano). No Brasil, a vacinação deverá começar em 2010.

Temos que estar ALERTAS, isto sim, pois é um virus novo, pode sofrer mutações, e ainda estamos aprendendo a conviver com ele. DEVEMOS ACOMPANHAR E CONFIAR NAS INFORMAÇÕES DAS AUTORIDADES OFICIAIS, QUE SÃO REAIS E FIDEDIGNAS.

Att
Káthia Maria de Gouvêa Ribas - CRM 9448"

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics