quarta-feira, maio 06, 2009

Estamos em vias de retornar ao Brasil, após estes dias intensos de batalha no front da gripe parlamentar, apelidada de A H1N1. Como a tal gripe aparentemente está, paulatinamente, se enfraquecendo, olhamos, mais uma vez, para o cenário brasileiro, onde não param de surgir fatos e fotos para metermos o pau latino.

Política. A reforma política proposta pela pocilga é uma piada. Exijo meus direitos inquebrantáveis de eleger o filho da puta ladrão e venal da minha escolha. Não quero que dinastias de vagabundos se locupletem do butim. Que pelo menos as moscas mudem. Até porque posso pegar uma boquinha.

Público. Alegar que dinheiro público acabaria com a promiscuidade entre o privado e o público é nos chamar de retardados.

Reforma. "Se a Dilma teve direito à reforma política da sua caratonha, quero o meu também", vociferou pelos corredores da pocilga uma nobre repre$entante da oposição que não foi identificada.

FUNASA. Índio sempre quer apito. Indignados invadiram a sede da Funasa naquela região agreste e sem recursos que é a capital de São Paulo para exigirem, entre outras coisas, remédios, saneamento básico e carros novos. Porra, será que posso alegar que, como descendente longínquo de índigenas, sou índio também e levar, de quebra, uns 50 alqueires em terras repletas de diamantes, urânio e tungstênio?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics