terça-feira, abril 28, 2009

Apelação. Em um primeiro momento a incontinência verbal de Lula, a respeito da doença de sua candidata a 2010, pedindo ao povo que ore por ela pode parecer um tiro no pé. Mas Lula não é bobo. Mandou um recado claro às massas: "Orem por ela porque senão, em 2011, a mamata das bolsas vai acabar".

Esperando Godot. O cenário da sucessão presidencial entrou em compasso de espera. Pré-candidatos, ávidos, se calam quando perguntados sobre uma possível retomada de suas candidaturas. "É cedo", "improvável", "temerário" são os comentários que mais se ouvem. Mas quem deve estar torcendo, para que pelo menos Dilma dure até o dia 2 de janeiro de 2011, é o Partido Me Dei Bem, virtual fornecedor do vice-presidente.

Moral. Ainda não se sabe bem como irão ficar as medidas moralizadoras. O uso indevido, de uma benesse indevida, extrapola as casa de tolerância e chega aos fiscais da pocilga. Em resumo, descobriu-se que é uma baita putaria, algo que qualquer cidadão semi-analfabeto já sabe.

Mulheres. Já que estamos falando de putaria e sacanagem, não podia deixar passar em branco. Adriano, o imperador, está passando o rodo nas mulheres--produtos-de-supermercado do Brasil. Já enfileirou a mulher-moranguinho e a mulher-caviar (esta última eu nem sabia da existência), além da ex, que não recordo o nome. Foi visto agora com uma das deliciosas panicats. Hugo Toso, nosso enVIADO especial ao mundo do entretenimento, foi atrás para saber qual a razão desse verdadeiro rodízio gastronômico. "Muito simples, a mulher-moranguinho não queria uma mulher-creme-de-leite junto. A mulher-caviar nem quis saber da mulher-torrada(**), logo...", comentou um entendido no mundo da arte esportiva. Para meio entendedor meia-palavra basta.

(**) Como todos sabem, o caviar é uma iguaria para poucos, que se come puro com uma colher de madrepérola. Apesar de ser uma baita gostosa, o Jus Indignatus deplora o uso da expressão caviar associada a tal periguete, porque é bem feinha. Recomendamos que seu nome seja mudado para mulher-ova-de-tainha, muito mais apropriado.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics