domingo, abril 26, 2009

Estamos na reta final para a entrega da declaração do IR 2009 (ano-base 2008). Muitos brasileiros ainda estão se debatendo com uma questão de suma importância: Como, afinal, eu posso sonegar? O Jus Indignatus foi atrás dos maiores especialistas no assunto do mundo, os nobre$s repre$entante$ do povo brasileiro. Aqui vão dicas exclusivas:

1) Revise as últimas 10 declarações para evitar inconsistências. Mas cuidado, não adianta, por exemplo, declarar no passado um opala 74 e um apartamento de 1 quarto e agora querer recuperar o tempo perdido declarando uma BMW e um castelo. O ideal é ir somando ao patrimônio um pouco de cada vez, ano a ano. Vale o esforço.

2) Se seu patrimônio cresceu escandalosamente, vale colocar os bens em nomes de laranjas. Membros da família são bem-vindos, se confia neles é claro. Desde que esteja de acordo com os rendimentos deste laranja. Um exemplo, se os filhos, noras, genros, cunhados, irmãos etc são assessores em seu gabinete, fica bem fácil esconder uma fazenda e algumas centenas de cabeça de gado. Se está na iniciativa privada, vale o mesmo raciocínio. Claro que o montante a ser sonegado não chega aos pés do que se faz no planalto central.

3) Não cometa o erro, comum, de colocar lavradores do sertão do Piauí como laranjas, na esperança que ninguém vai perceber. Os agentes da Receita Federal de lá não tem mais nada o que fazer, então não vale o risco.

4) Dependentes. Não declare dependentes que estejam sendo usados como laranjas. Procure amantes que já tenham filhos e faça um acordo, declarando-os como seus. Destine 8% do seus rendimentos que não serão declarados para isso, mais barato que a alíquota ora em vigor.

5) Gastos com educação, saúde etc. Se após as providências do item anterior ainda restarem alguns trocados procure clínicas médicas ou dentárias. Geralmente pode-se conseguir recibos por um bom preço.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics