quinta-feira, agosto 21, 2008

Não sou boleiro, nem torço para um time específico. Desde a copa de 2006 também não torço pela seleção. Não dá. São esportistas nababos, cevados a champanhe e caviar, cercados de patrocinadores e de putas.

Temos jogadores excelentes, deixo isso claro, mas o esquema tático, imposto pelo zagueiro anão, destrói as qualidades de qualquer um. Li em algum lugar que Pelé declarou que se estivesse jogando trazia a medalha. Não duvido, não pela qualidade do seu futebol, mas sim pelo peitaço que daria no dunga. "'Professor', fica quietinho ali no banco que a gente vai jogar futebol, valeu?". Os esquemas nebulosos que cercam o futebol brasileiro impedem que nossos jogadores tenham brios e enfrentem técnicos medíocres. O tetra só veio porque Romário botou no rabo da comissão "técnica". O penta porque o Filipão é foda. Duvido que se a seleção tivesse um técnico com a garra e a determinação de um Bernardinho não teríamos passado o rodo nos argh-entinos.

Hoje vimos a seleção feminina tombar. Mas cairam de pé. Lutaram até o fim. Infelizmente quem não faz leva, são coisas do futebol. E não podemos negar a qualidade do time americano. Eles são organizados, tem uma liga profissional de futebol, contemplando também o feminino. Tem campeonato e clubes. Falta ginga, mas compensam no pragmatismo.

Enquanto aqui nossas atletas, que são aguerridas, se fodem para ir em frente. Tiro meu chapéu.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics