sexta-feira, abril 04, 2008

Enquanto a maioria esmagadora da população mundial é estéreo e tem que se virar entre emprego, família e estudos, nosso intrépido e ilustrado líder mono nunca se preocupou com isso. “Não pude fazer (faculdade), num primeiro momento, porque não tive condição. No segundo momento, porque eu estava casado. No terceiro momento, porque era dirigente sindical. No quarto momento, porque virei presidente do PT. No quinto momento, porque virei presidente da República”, disse o apedêutico presidente. “Quem sabe no sexto momento, quando eu não for mais nada, quem sabe eu possa conseguir, através da universidade aberta, meu diploma”, completou. Ele só será mais nada quando morrer porque, infelizmente, depois de deixar o cargo, será um ex-presidente, e não terá, também, tempo para estudar.

Não satisfeito, durante o discurso lá nos pampas da Letícia Coelho, ironizou a tese de que a aprovação ao seu governo está relacionado a condições econômicas favoráveis. “Alguns dizem que eu tenho sorte. Eu levanto toda manhã e peço a Deus que me dê cada vez mais sorte. Porque se eu tiver a cada dia mais azar, não apenas eu, o País entrará numa situação muito difícil”, profetizou.

Por alguns entenda-se os aspones puxa-sacos. O incrível é que tem gente que acredita nessas baboseiras. E o mais incrível é esquerdista crente.

PQP.

(veiculado no Estado de São Paulo)

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics