terça-feira, janeiro 22, 2008

Ontem, no meio do pânico global, Mantega, esse sagaz expert em finanças internacionais que assessora o governo brasileiro, descartou a possibilidade da crise norte-americana afetar a terra brasilis. Hoje, já devidamente ensaboado, acredita que o Brasil não está imune.

Lula, esse luminar mundial, não acredita que o crescimento brasileiro seja afetado. Assim como não acredita em apagão, em febre amarela, nem em mensalão. O cara não sabe nada.

Uma pausa. Só para entenderem o tamanho da cagada. O tal "sub-prime" são as hipotecas, financiadas pelos bancos, a quem não tem crédito na praça. Seria o equivalente a você, nobre leitor, digníssima leitora, ter seu nome no SERASA e no SPC, ir ao banco e conseguir uns R$ 200 mil para comprar um imóvel. A taxa de juros desta operação é muito maior que a daquele que tem seu nome limpo. O que não entendo é qual é a graça de se emprestar para caloteiro. Como diz o grande mago Heitor Caolho "Quem tem olho grande não entra na China, pequeno gafanhoto". Há diferenças legais substanciais entre os dois países no que tange a recuperação do bem. Fim da pausa.

Que o Brasil está calçado com um belo colchão de dólares não é novidade. Nem é novidade que isso não é mérito do governo PT, os juros abusivos praticados no Brasil atraem os ávidos "investidores" há anos. Não sei ainda quanto, dos bilhões de dólares, são de investimentos de curto prazo. Mas o Mantega esquece que o Brasil tem arrumado divisas, a duras penas, principalmente sobre produtos agrícolas. A oscilação do preço das commodities detona com um setor que tem sustentado o mercado interno, que é o agro-negócio. E como é que fica, "ministro"?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics