segunda-feira, dezembro 10, 2007

Já era demais ver "homens" cuidando das unhas e cutículas, os tais metrosexuais (aqueles que acham que o fiofó é túnel de metrô), mas ler que estão também aderindo à uma tal escova inteligente é demais. O exemplo dado é de um guri de 14 anos que, de tanto reclamar que seu cabelo crescia para cima ao invés de para baixo, convenceu a mãe a levá-lo ao salão de beleza. Ou a mãe o convenceu. A ordem da baitolagem não altera o produto.

Consultando as bases entendo que a única inteligência que existe na tal escova é a do dono do salão, que cobra uma baba para um "tratamento" que dura 3/4 meses. Sem contar o custo dos produtos que a(o) incauta(o) vítima terá que usar para a sua manutenção.

Coisinha mais viada.

Em tempo: Tá, sou careca, e daí?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics