quinta-feira, dezembro 13, 2007

Antes de comentar sobre CPMF.

Está em trâmite, na pocilga, projeto de lei de "autoria" do deputado Henrique Afonso (PT-AC), que pretende "dar estímulo financeiro para a mulher ter o filho" (fonte site Terra). O projeto, apelidado de bolsa-estupro, prevê o pagamento de um salário mínimo, por 18 anos, para as mulheres vítimas de estupro e que engravidaram.

Realmente a capacidade de surpreender que a pocilga tem é incrível. O cara acorda, e durante o café da manhã, sem nada com o que se preocupar, resolver criar uma merda dessas. Mesmo que não fosse significativo o número de mulheres, que engravidam de seus estupradores, isso é um ultraje, com a mulher e com o contribuinte.

E como brasileiro sofre do mal de Gerson, alguém aí duvida que espertalhões vão simular estupros para se dar bem com o dinheiro público, caso esta babaquice passe? Ah, mas Rayol, o cara seria preso. Preso nada, arruma um presunto por aí e diz que o cara estuprou um monte de mulher. Nossos renomados especialistas do CSI São Paulo, CSI Rio, CSI Dasputaqueospariu, vão conseguir, depois de 30 anos, provar que o "de cujos" teria sido sodomizado e era estéril.

Mais um escárnio.

Em tempo: Esta bizarrice, que só poderia ser engendrada por um desmiolado, está também no projeto do "Estatuto do Nascituro", legislação que proíbe o aborto em todos os casos, as pesquisas com células-tronco e o congelamento de embriões no País e até mesmo as técnicas de reprodução assistida, oferecendo somente a escolha da adoção às mulheres com dificuldades para engravidar. Outra coisa pra lá de bizarra.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics