quarta-feira, setembro 12, 2007

A venalidade do $enado é vexatória. Disso não temos dúvidas. O curioso foram alguns comentários que recebi. Um deles, feito pelo maluco-beleza Strix, lembrou um fato importante. A pocilga é nossa. Nós sustentamos aquele puteiro. Nós elegemos os repre$entante$ do povo. Nós pagamos o pato. E nós não sabemos aonde foram parar nossos votos.

Outro, de tão bizarro e bisonho foi completamente anônimo. Esse está publicado em um dos posts anteriores. Defendeu o voto secreto justificando que o voto aberto é instrumento de um poder executivo opressor e ditatorial. Não, anônimo, o voto aberto é um instrumento democrático. Eu elejo um desgraçado, que não deve saber quem é o pai, e quero saber se e onde ele tem o rabo preso. Justificar o voto secreto como democrático é o mesmo que dizer que o país se limita aos três poderes. Em uma democracia o poder deveria emanar do povo. No caso brasileiro temos que rever o conceito. Fazemos algo completamente diferente.

O terceiro é da famosa jandira, nome de guerra de algum petista. Apoia totalmente o Renan, o amigo do peito do Collor, o expoente do Partido Me Dei Bem. Ninguém é tolo de acreditar que a saída do Renan iria mudar alguma coisa. Não ia mesmo. O que acredito que estava em jogo era a perpetuidade do $enado. Com a absolvição do pulha enterra-se de vez a esperança que a pocilga tenha salvação. Um congre$$o e um $enado fracos só favorece aos interesses dos ditadores.

Enfim, esse tipo de atitude não é promiscuidade, é suruba da grossa. Um partido que se abraça com Sarney e sua camarilha não pode ser sério.

Viva a putaria, viva o Brasil. Fodam-se os brasileiros.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics