segunda-feira, maio 14, 2007

O papa definitivamente não é pop. Apesar dele ter ido embora ainda está causando convulsões e tremiliques por aqui. Lula, em um gesto magnânimo e de uma visão míope extraordinária, decidiu não encaminhar ao congresso nenhum projeto de lei pela legalização do aborto. Foi convencido, pela pregação papal, de que "as mães que querem dedicar-se plenamente à educação de seus filhos e ao serviço da família devem gozar das condições necessárias para fazê-lo, e para isso devem ter o direito de contar o com apoio do Estado". Com o dinheiro de quem sua santidade? Em outro insight o papa acusa que leis contrárias ao matrimônio e às que favorecem os anticoncepcionais e o aborto o status são "ameaças ao futuro dos povos".

Estou pouco me lixando se o feto é feto ou tem alma um ou dois ou mesmo 50 dias após a fecundação. Na minha opinião o futuro dos povos é ameaçado pela perpetuação da miséria. Não é possível que a Igreja não olhe para os miseráveis e ache que eles assim o são por vontade do divino ou por que são pecadores. Não é possível que a Igreja vire as costas à calamidade que assola a África e acredite que estão sendo punidos pela ira de Deus. Só se, como países pobres e incapazes de encher os cofres papais, estejam relegados ao fogo do inferno por falta de pagamento.

E o que diabos a Igreja tem a ver com a Amazônia?

PS: Sim, estou indignado. Não ouvi porra nenhuma desse papa que prestasse. Papa não, papinha.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics