terça-feira, dezembro 26, 2006

Há dois anos atrás ocorria uma tragédia, de proporções épicas, que se abateu sobre o sudeste asiático. Um dia onde mais de 300 mil pessoas morreram e milhões ficaram desabrigadas. Um conhecido morreu e já postei aqui anteriormente sobre o assunto e não vou tomar o tempo de vocês descrevendo minha saga para tentar ajudá-las, mas resumindo, no dia 27/12/2004 comecei a me mobilizar nesse sentido. Vivenciei situações bizarras e kafkanianas. Entre elas:

a) Ausência de comando no governo do estado de Santa Catarina por ocasião das festas de fim de ano: não encontrei uma pessoa que tivesse autoridade para liberar a Defesa Civil nesse movimento;

b) A Cruz Vermelha Brasileira não podia receber donativos em produtos, apenas em dinheiro, pois não tinham como transportar até o local, situação bizarra considerando que o dinheiro arrecadado nos países ricos poderiam ajudar a financiar do envio destes donativos;

c) O Gabinete de Segurança Institucional (GSI), órgão público destinado a este tipo de ação interna e externa, que apesar de se mobilizar (vejam os e-mails abaixo) não fez porra nenhuma, como podem ver neste link.

E-mail de 05/01/2005

Prezado Ricardo

O espírito de solidariedade que você demonstra é excepcional. Entenda que o Governo Federal está próximo de tomar importante decisão a rspeito da coleta, armazenamento, triagem, embalagem e transporte.
De modo algum você está sendo chato.
Peço que aguarde posição oficial do Governo Brasileiro e, então, poderá usar toda sua capacidade de gestão, de planejar e de colaborar com ações objetivas e e com metas definidas, tudo com a finalidade de ajuda humanitária.Mantenha contato, ok?

E-mail de 07/01/2005

Prezado Ricardo

O Presidente da República decidiu que as Forças Armadas - Exército, Marinha e Aeronáutica - estarão recebendo o material que já foi coletado pelas instiuições, população em geral, ONG's, etc. O Ministério das Defesa deve estar orientando as Forças a respeito. Posteriormente, o material será transportado para a área afetada pelo maremoto pela Marinha Mercante e aviação comercial.


Toda a inércia e incompetência, deste (des)governo, apareceram neste episódio, pelo menos no meu ponto de vista. Um dos argumentos à época é que era muito caro mandar os donativos. Coisa de US$ 15.000,00 por viagem de avião da FAB. Que a coisa toda custasse uns US$ 600 mil, pouco mais de R$ 1.700.000,00, troco perto da roubalheira que se descobriu posteriormente. E mesmo que não a houvesse não ia representar nada se o (des)governo Lula realmente quisesse ser o líder em relação a fome no mundo (quer exemplo melhor do que esse para se projetar?). Vão entender de marketing internacional assim lá em Brasília.

Tenho, porém, que fazer a ressalva em relação a duas pessoas que, apesar de estarem com as mãos atadas, me ajudaram a descobrir o caminho no meio da burocracia medonha: Um major da Defesa Civil do Estado de Santa Catarina e o sub-comandante da Base Aérea de Florianópolis (infelizmente não lembro os nomes mas fica o registro). Foram excepcionais.

Destaco também a força dada pelo editor do Diário Catarinense, Giancarlo Baraúna, e sua equipe de repórteres, que se prontificaram a divulgar a campanha, caso fosse adiante, e que publicaram matéria na edição de 05/01/2005.

Me senti um inútil, um merda mesmo. Mas no final das contas fica o exemplo de solidariedade. Meu irmão conseguiu mobilizar uns amigos e compraram tabletes de purificação de água suficiente para atender 10 mil pessoas por um mês. Deve estar sendo usada em alguma piscina de algum político desgraçado no meio desse Brasil.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics