segunda-feira, dezembro 04, 2006


Só no Brasil funcionários públicos legislam em causa própria quando se diz respeito às benesses e direitos. Começando pelo legistativo e rolando ladeira abaixo pelos "podres poderes" nacionais do Brasil. "Os integrantes do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) aprovaram hoje proposta de resolução que equipara o teto salarial dos integrantes dos Ministérios Públicos Estaduais --hoje, em R$ 22.111-- ao valor máximo pago aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), de R$ 24.500". (fonte Folha Online)

Só para constar este conselho tem por atribuição o controle da situação administrativa e financeira do Ministério Público, tendo sido instalado em junho de 2005. É composto por 14 membros, entre o procurador-geral da República, quatro membros do Ministério Público da União, três membros dos Ministérios Públicos Estaduais, dois juízes (um representante do STF, outro do Superior Tribunal de Justiça), dois advogados e dois cidadãos de "notável saber jurídico" (um indicado pela Câmara e outro pelo Senado). No mínimo já tem 4 malandros mamando aí.

Você, nobre contribuinte assalariado, vá ao seu chefe e diga que seu salário agora é equivalente ao do presidente da empresa em que trabalha e veja o que acontece.

E, enquanto isso, Mantega prevê dificuldade para aprovar mínimo de R$ 367 no Congresso...

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics