sexta-feira, dezembro 01, 2006


Como bom feio que sou, apesar de simpático e charmoso, não poderia ficar de fora da blogagem coletiva idealizada pela Valerie. O tema é moda e a suposta escravidão que ela submete as mulheres, principalmente, à sua sanha assassina e escravizadora. Realmente deve ser uma dureza. Manicure, pedicure e, tortura das torturas, depilação das partes pudendas. Mas fora esses detalhes o que acho mais engraçado é que a moda caminha em ciclos. Uma coisa que é moda hoje fica fora-de-moda amanhã e volta a ser no dia seguinte. Sem contar os estilos. Putaqueoparioô, vendo os modelitos fashion nos desfiles fico imaginando quem seria louca desvairada o bastante para, pagando uma baba, se vestir daquele jeito. Acho que nem de grátis. Tudo em nome de uma suposta transgressão e vanguarda. O que me cheira muito às babaquices que se expoem na Bienal.

Não entendo bem por que os estilistas acham que mulheres parecendo flamingos desengonçados e vestidas, apenas por pele, são padrão de beleza. Algum resquício animal pois só um pra gostar de osso, mas gosto é gosto. Mas tirando este importante mérito sabemos que esse caminho perverso leva à morte. A recente modelo brasileira que morreu por anorexia é só uma, em centenas de casos. Tenho certeza que o cara que escolheu a modelo da foto deve tê-la achado o máximo. Baita mané.

Então, "Dite moda, não deixe que ela te edite".

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics