domingo, novembro 05, 2006


Que o Brasil vêm perdendo espaço no cenário mundial já era evidente. Mas Lula declarar que não quer assumir um papel, de liderança, no continente latino-americano e que aboliu, de seu dicionário, a palavra "hegemonia" é demais.

Esta atitude é compreensível. Primeiro, que assumir um papel de liderança implica em ser competente, coisa que Celso Amorim e a diplomacia brasileira não o são. Segundo porque representa maior trabalho e pelo que acompanhamos isso não é natural para eles. E, em terceiro, com a palavra hegemonia saindo do dicionário, este, finalmente, ficará restrito a uma página em corpo 36.

Este descaso está tão evidente que Lula não compareceu, alegando cansaço causado pela campanha eleitoreira, à 16° cúpula Ibero-americana. Sua ausência esvaziou o evento. Isto é, o Brasil é um país importante para o cenário mundial. Para quem é de fora. E virou motivo de piada. Enquanto o bicho pega no cone sul, Lula pega sol na Bahia.

Só para constar, a agenda presidencial de viagens até o final do ano já está cheia. Irá visitar importantes países como Venezuela, Uruguai, Nigéria e Bolóvia. É o tal eixo de países em desenvolvimento.

Mas, se Lula não quer a liderança o que ele vai fazer visitando países que não tem um puto de grana???

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics