segunda-feira, novembro 06, 2006

UPDATE 07/11/2006

A Magui teve a bondade de apontar que essa estória é barriga. Pelo que está no site do senado federal da república bananística do Brasil não há nada tramitando quanto ao assunto. Não do jeito que foi relatado pela imprensa marrom e por este e alguns blogs desavisados. O Patrick fez a gentileza de me passar o link.

http://www.senado.gov.br/agencia/verNoticia.aspx?codNoticia=59325&codAplicativo=2

-------------------------------------

Parem as máquinas!!! Se já não bastassem as trapalhadas dos petralhas eis que a oposição apronta uma das suas. O senador Eduardo Azeredo (PSDB), ex-governador de Minas Gerais, tramita um projeto de lei, na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, para intitucionalizar a burocracia virtual. A idéia é tão bizarra quanto perigosa. Todos nós teremos que nos identificar quando acessar a internet. Para qualquer coisa. Desde enviar um e-mail, entrar numa sala de bate-papo ou até criar um singelo e humilde blog. Baixar videos pornô nem pensar. Aparentemente parece a forma encontrada para inibir a fiscalização dos atos e desmandos do (des)governo e a livre manifestação do pensamento.

Mas se você pensa que é apenas uma manobra política está muito enganado. Por trás da identificação e da certificação prévias dos usuários da internet, está o lobby das empresas de certificação digital, espécie de cartórios virtuais, que atestam a veracidade de informações veiculadas pela internet. E o figura seria o assessor de Azeredo, José Henrique Portugal, ex-dirigente do Serpro, estatal federal de processamento de dados. (fonte Folha Online). Tinha que ter maracutaia no meio.

Pessoal, a coisa é muito séria. Se fosse apenas uma baboseira bancária nem tava aí. Mas o risco é grande de nos tornarmos uma China. Não seria uma chance de ouro para que nós, críticos do (des)governo, fossemos alijados do direito constitucional de espernear?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics