sábado, outubro 21, 2006


Fica cada vez mais claro o que está por trás da demora em identificar a origem do dinheiro do dossiêgate. Estrategistas petistas, leia-se o advogado criminal que às vezes se passa por ministro da justissia, buscam desesperadamente o bode expiatório. José Dirceu já é apontado como tal, o que me leva a crer que a demora é mais decorrente da negociação, afinal ele não vai botar o pescoço no cutelo se não for por uma boa grana, do que propriamente a quem indicar.

Caso José Dirceu não tope a punição deverá recair sobre algum assessor especial. Alguém do quilate do primeiro-barman ou do primeiro-gândula ou, ainda, do primeiro-puxa-saco-que -aparecer. Candidatos não faltam. No país da impunidade alguém acredita que o crime, nesse caso, não compensa?

E, aproveitando, o que dizer da capa da Veja desta semana? Já era estranho um zelador de zebras se tornar um sócio milionário de uma empresa de tecnologia. Coisa extraordinária em se tratando da terra brasilis. Não conheço "case" de sucesso tão estrondoso em mais de 20 anos de trabalhos forçados e impostos pagos. Mas a conexão com lobby é realmente uma surpresa. O que me leva a crer que Alckmin estava coberto de razão em não usar este fato no debate (??) do SBT. Com a veiculação da Veja a pressão da opinião pública, a lúcida pelo menos, será grande. E no próximo debate será muito mais fácil apontar o dedo, os dez, para o apedeuta e mandar ver.

(imagem da bedeteca.com desconheço o autor)

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics