quinta-feira, agosto 10, 2006

Mostrei recentemente onde estava a sacanagem no incentivo ao espetáculo "Saltimbanco" do Cirque du Soleil. A pilantragem está no "plano de acessibilidade" que é exigido pela Lei Rouanet. O objetivo deste plano é atingir o maior número de pessoas possível, em especial cidadãos que não vão habitualmente ao teatro (com propostas de apresentações gratuitas ou ingressos mais baratos), além de oficinas artísticas e outros recursos. O Cirque du Soleil não mostra como fará isso. Nesse ponto uma luz no fim do túnel apareceu. O Minc negou o incentivo para a perna carioca da turnê do Cirque. A empresa promotora do evento tinha pedido mais R$ 6 milhões, além dos R$ 9 milhões levantados para a perna paulista, para 46 apresentações.

Ou luz no fim do túnel (pelo menos na cultura os caras tem que dar um arrego). Ou então é a velha máxima do criar dificuldade para vender facilidade. Alguém arrisca?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics