sexta-feira, agosto 04, 2006

Morreu Zé Ninguém. Trabalhador, sempre teve que lutar para conquistar seu exíguo espaço na sociedade. Enfrentou grandes dificuldades, constituiu família e teve seus filhos, todos criados dentro da humildade e ética, apesar dos maus exemplos vindo de cima.

Zé Ninguém morreu devido a complicações causadas por uma doença crônica, o descaso. Precisando de uma cirurgia urgente entrou no posto de saúde de um bairro de Florianópolis, Trindade. Foi muito bem atendido. Sendo de outra cidade (Biguaçu) não poderia ser atendido ali, mas como era emergência apenas precisava fazer o cartão Nacional de Saúde do SUS. A atendente, identificando a urgência de Zé Ninguém e sabendo que se nada fizesse ele morreria, cadastrou-o assim mesmo. Morreu por que algum imbecil na Secretaria de Saúde do Município ou do Estado emperrou o processo devido ao erro no endereço. A atendente deverá responder a processo disciplinar por tentar burlar as normas. E Zé Ninguém descansará em paz. Em paz?

(a vida do personagem é fictícia mas o caso é real e aconteceu ontem aqui, na ilha da magia)

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics