terça-feira, maio 09, 2006

Leio na coluna do Carlos Heitor Cony e passo de graça.

"Uma das manias que Lula cultiva com mais entusiasmo é a do auto-elogio. E, quando deixa de elogiar-se a si mesmo e passa a elogiar as suas realizações, lembra os governos militares, que eram pródigos em dividir a história do Brasil em antes deles e depois deles. Explico: durante o governo Médici, iniciaram uma estrada monumental, a Transamazônica. A publicidade oficial dizia que seria a maior obra da Era Moderna, tal como a Muralha da China na Antiguidade. Pela sua extensão e largura, a Transamazônica seria vista da Lua. Semana passada, falando do gasoduto que seu governo está transando (aí está a razão da reunião de cópula da semana passada) com países vizinhos (a tal integração sul-americana), Lula disse que será uma obra igual a da Muralha da China, certamente com a vantagem de ser vista da Lua, embora, creia eu, grande parte dela seja subterrânea. Mas nunca se sabe". (A capacidade que Lula tem de falar bobagens realmente é surpreendente)

O açodamento com que ele aceitou a soberania da Bolóvia em cima de uma empresa brasileira foi também exagerado. (blábláblá). (O que) Lula deveria (fazer) era chamar Delúbio Soares e Dirceu para montarem um esquema igual ao do valerioduto para ajudar os bolóvianos.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics