quinta-feira, janeiro 26, 2006

Hoje fui numa loja de brinquedos educativos. Muito legal por sinal. Fiquei de voltar com minha filha pra ver algo diferente do que Barbies e Pollys. Essas bonecas me enchem o saco. A primeira é uma ode a anorexia. Esteriótipo das manecas que parecem (conforme o Dr Ilton) girafas com artrite. A segunda, apesar de bacana, é pequena e tem acessórios menores ainda. Vocês não tem noção do tamanho dos sapatos dessa boneca. Enfim, atribulações de quem é pai de menina.

Mas o que me chamou a atenção, numa conversa na loja, foi a onda de assassinatos de barbies que assola a europa, notadamente a Inglaterra. Decapitações, incinerações e cozinhar no micro-ondas são as formas favoritas de mutilação. Alguns neuróticos acham que existem um problema perverso por trás disso. Talvez seja apenas um rito de passagem, quando crianças viram jovens. Ou então, o que seria mais maneiro, finalmente uma ruptura com o modelo babaca da mulher esquálida vencedora (neé Gisele Buchon).

Somos o que somos.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics