segunda-feira, janeiro 09, 2006

Quando escrevi meu último post o objetivo era chamar a atenção a um exemplo muito mais marcante da credulidade humana. Credulidade esta que levou as seitas suicidas, que foram ativas na década de 80, terem tanto sucesso (malfadado com certeza).

Os criacionistas alegam que a perfeição humana, exemplificada por n detalhes no corpo humano, como por exemplo, o nariz sobre a boca, cheirar antes de comer, e a bunda, almofadas para sentar (o que é interessante pois quando Deus criou o homem já pensava na privada). Desta forma, se Deus criou o homem e um mundo perfeito só posso concluir que no céu existem baratas e outros bichos nojentos e nocivos. Prefiro pensar que tivemos uma explosão de vida, criaturas surgindo e evoluindo, e apenas os mais capazes, algo como uma seleção natural que prega o darwinismo, sobreviveram. O que explicaria os elefantes e girafas. Sei que antropólogos, arqueólogos e afins buscam o elo perdido e todo dia aparece uma novidade.

Mas queria dizer que não sou um homem sem fé. Acredito que muita coisa a ciência não explica e apenas a existência de um ser superior, seja Deus, Alá ou Oxalá, explicaria.

Mas se nós pobres mortais fomos criados à imagem e semelhança de Deus, Lula e sua camarilha, Bush, Aiatolá Khomeini e Bin Laden, só podem ter saído à cara do diabo.

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics