sexta-feira, janeiro 20, 2006

Como todo cidadão de bem tenho minhas manias e minhas pinimbas. Mas 3 coisas conclui que devem ser de irritação geral e que, em Floripa, importamos de outras praças ditas desenvolvidas:

1) Panfleteiro de sinal: Esse ser, que estaria melhor empregado se o disgramado do seu presidente cumprisse os 10 milhões de postos de trabalhos, teima em enfiar janela adentro aqueles malditos panfletos (ou na linguagem dos grandes marqueteiros - flyers) mesmo que o sol e o calor beirem o do inferno. Aquei em Floripa pelo menos eles não são tão insistentes e dá para recusar na boa e não encher seu carro de lixo. Isso quando o indivíduo receptor não arremessa os papéis pela janela. Esse chato (ou chata) surgiu tem uns dois anos pra cá.

2) Malabarista de sinal: Essa não tenho tanta certeza que importamos ou exportamos. Fica o sujieto arremessando bolas e malabares, soltando fogo pelas ventas, tudo com o singelo objetivo de mostrar seus dotes circenses e tirar uma grana dos incautos. Surgiu tem uns 5 anos.

3) Flanelinha: Esse ser abjeto, filho do cruzamento do demônio com seres abissais não identificados, infesta qualquer lugar. Aqui em Floripa surgiu há uns bons 8/9 anos. E até aquela data juro que não existia. Eram sumariamente ignorados ou banidos. Hoje em dia até nos horários e locais de funcionamento da Zona Azul (parqueamento público pago) os desgraçados tem a cara de pau de cobrar. Aqui ainda não soube de casos de depredações mas com certeza existem.

Em tempo: Leio no site do Terra a manchete de "Povo terá orgulho de ter votado em um igual", frase supimpa dita por não menos do que o seu presidente Lula. Não tenho avião particular, não falo bobagens quando sóbrio, não dei 5 voltas ao mundo viajando por aí, sei ler e fazer palavras cruzadas. Como não sou igual sou o quê?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics