segunda-feira, janeiro 17, 2005

From: "Ricardo Rayol Braga"

To: dep.aceliocasagrande@camara.gov.br, dep.angelaamin@camara.gov.br,
dep.carlitomerss@camara.gov.br, dep.deciolima@camara.gov.br,
dep.djalmaberger@camara.gov.br, dep.edinhobez@camara.gov.br,
dep.fernandocoruja@camara.gov.br, dep.gervasiosilva@camara.gov.br,
dep.joaomatos@camara.gov.br, dep.joaopizzolatti@camara.gov.br,
dep.nelsongoetten@camara.gov.br, dep.paulobornhausen@camara.gov.br,
dep.valdircolatto@camara.gov.br, dep.vignatti@camara.gov.br,
dep.zonta@camara.gov.br, ideli.salvatti@senadora.gov.br

CC: cgm@minc.gov.br, isabella.madeira@minc.gov.br,
marisa.borges@minc.gov.br, mario.borgneth@minc.gov.br,
paula.porta@minc.gov.br, nanan.catalao@minc.gov.br,
cyntia.campos@minc.gov.br, aap@minc.gov.br, conjur@minc.gov.br,
alberto.cardim@minc.gov.br

Subject: Lei Rouanet
Date: Tue, 17 Jul 2007 10:29:54

_________________________________________________________________

Excelentíssimos Senhoras e Senhores Ministro da Cultura, Senadora, Deputados

Li ontem, na mídia eletrônica, que foram liberados, sujeito à validação no
DO, quase R$ 4 milhões para a produção de um filme baseado no "livro" da
personagem Bruna Surfistinha. A lei Rouanet foi criada como forma de
incentivar a cultura brasileira em seus mais variados aspectos. Entre outras
fontes de aporte de recursos contempla a renúncia fiscal, da União, de
valores aprovados de incentivo e é aí que começa minha desconfiança sobre a
sua aplicação. Pela leitura de alguns artigos da lei este filme contradiz,
em quase toda a linha, os seus objetivos, definidos em seu capítulo
primeiro, a saber:

I - contribuir para facilitar, a todos, os meios para o livre acesso às
fontes da cultura e o pleno exercício dos direitos culturais. *Não posso
considerar que relatos de aventuras sexuais seja fonte de cultura.*


II - promover e estimular a regionalização da produção cultural e artística
brasileira, com valorização de recursos humanos e conteúdos locais. *Ok, a
Bruna Surfistinha é artigo nacional, mas qual é o conteúdo que relatos de
aventuras sexuais traz ao povo brasileiro?*


III - apoiar, valorizar e difundir o conjunto das manifestações culturais e
seus respectivos criadores. *Bom, do jeito que está escrito atenderá
plenamente, os idealizadores.*


IV - proteger as expressões culturais dos grupos formadores da sociedade
brasileira e responsáveis pelo pluralismo da cultura nacional. *Não é uma
questão de preconceito contra a classe das prostitutas, mas é irrelevante,
para a cultura nacional, integrar relatos de aventuras sexuais como
pluralismo.*


V - salvaguardar a sobrevivência e o florescimento dos modos de criar, fazer
e viver da sociedade brasileira. *Não se aplica ao caso.*

VI - preservar os bens materiais e imateriais do patrimônio cultural e
histórico brasileiro. *Também não se aplica ao caso.*

VII - desenvolver a consciência internacional e o respeito aos valores
culturais de outros povos ou nações. *Não se aplica também.*

VIII - estimular a produção e difusão de bens culturais de valor universal
formadores e informadores de conhecimento, cultura e memória. *Que
conhecimento, além das posições sexuais executadas, trará o financimento,
com dinheiro público, tal filme?.*


IX - priorizar o produto cultural originário do País. *Insisto que relatos
de aventura sexual não são cultura.*


Art. 2º O PRONAC ....:

Parágrafo Único. Os incentivos criados pela presente Lei somente serão
concedidos a projetos culturais que visem a exibição, utilização e
circulação públicas dos bens culturais deles resultantes, vedada a concessão
de incentivo a obras, produtos, eventos ou outros decorrentes, destinados ou
circunscritos a circuitos privados ou a coleções particulares. *Uma situação
interessante, será que os produtores irão promover sessões gratuitas de um
filme semi-pornô, se não completamente?*



Ah, o dinheiro não é nosso, é renúncia fiscal. É sim, no momento que a União
concorda em direcionar os "parcos" recursos adquiridos com impostos para uma
bizarrice dessas, representa menos salas de aulas, menos esgoto, menos
leitos hospitalares e menos segurança. Fico imaginando como justificaram a
aprovação de uma coisa dessas. Brasileiro com certeza é. Cultural não, só se
considerarem cultural um manual profissionalizante, o que, na minha opinião,
este "livro" é.

att,


--
Ricardo Rayol Braga

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics