terça-feira, agosto 16, 2005

Em reunião com o gabinete da crise ontem pela manhã no Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva considerou mais conveniente ao atual momento político não fazer, pelo menos por hora, novo pronunciamento à nação, não convocar o Conselho da República e articular uma operação pela derrubada do salário mínimo de R$ 384, aprovado no Senado.

Essa política de avestruz é interessante. Quem não aparece não é lembrado, logo não é atacado. Li uma vez que no Brasil o sujeito, quando enrolado, só é famoso por 15 dias. E que faça todo o possível para não ser lembrado no 16° dia. Lula só esquece que é o presidente da república, que o pronunciamento que fez para explicar o inexplicável foi pífio e que, ainda inexplicavelmente, não forçou o PT a expulsar a corja que está metida na roubalheira.

Em tempo: Diz a lenda que nobre senadora terá muito que explicar quando forem mais fundo na investigação sobre a distribuição do dinheiro do caixa 2. A conferir

Em tempo 2: Por falar nisso, que fim levou a investigação sobre os milhões nas malas que ex-pefelista levava para pagar as contas da IURD?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics