domingo, agosto 07, 2005

Tenho acompanhado na mídia e nos blogs dos amigos a celeuma sobre o desarmamento. A maioria acredita que isto favorece os bandidos. Fiquei matutando...

Em primeiro lugar, quem são as pessoas que podem andar armadas? Quer dizer, quem podia andar armado antes da lei 10.826? É uma parcela significativa? Pelo que me lembro não era. Em segundo lugar, o tráfico de armas no Brasil, que abastece os bandidos, é uma realidade. Nossas fornteiras parecem uma peneira. Isso irá mudar? Duvido.

A conclusão que cheguei é que a gente pensa que estamos nos EUA. Esse país pacífico e ordeiro onde todos andam armados. Sério mesmo. A impressão que me dá é essa. Alguém realmente acredita que essa estória de desarmamento tem a ver com mocinhos e bandidos? Alguém já passou por uma situação onde teria o sangue-frio, se armado, de reagir a um criminoso? Ou conhece alguém que tenha passado? Pô, quando o bandido ataca ele já se decidiu. Nós, pobres cidadãos pagadores de impostos, temos uma ética inerente que nos impede de reagir na velocidade necessária a um ato de violência. Tive um amigo, exímio atirador, que andava armado o tempo todo, que numa tentativa de sequestro na Barra da Tijuca, foi morto por ter furado o bloqueio dos sequestradores. Uma única bala de fuzil AR-15 atravessou a blazer que pilotava e o atingiu, matando-o na hora. É até risível acreditar que todos viraremos Clints Eastwood se o desarmamento não for aprovado.

Mas, o único senão dessa estória, que não vi até agora ser comentado, e que um papo com meu amigo Everson deu uma pista, é o seguinte: Um povo desarmado é um povo que facilmente pode ser subjugado. Tanto internamente quanto por forças externas. Façam suas conclusões. E como gosto de dizer, estamos sobre o maior depósito de água doce do planeta e não bebemos petróleo, bebemos?

A propósito, uma pesquisa IBOPE do ano passado revela que 65% dos brasileiros acreditam que a violência diminuirá se aprovadas as medidas do estatuto. Pra quê fazer uma mobilização deste porte, que deve estar custando uma grana pretíssima, se é favas contadas?

Copyright 2010 Jus Indignatus por Ricardo Rayol*template e layout layla*
Clicky Web Analytics